Pular para o conteúdo principal

Estudo do Inconsciente

 Inconsciente: Perspectivas Filosóficas e Psicanalíticas O estudo do inconsciente tem sido uma das áreas mais fascinantes e complexas da filosofia e da psicologia. Desde os tempos antigos, filósofos têm contemplado a natureza oculta da mente humana, enquanto a psicanálise, especialmente através dos trabalhos de Sigmund Freud e outros psicanalistas contemporâneos, tem lançado luz sobre as camadas profundas da psique humana.  Este breve texto visa explorar essas perspectivas, desde os fundamentos filosóficos até as contribuições contemporâneas da psicanálise, incluindo importantes figuras brasileiras nesse campo. Filosofia e o Inconsciente A investigação filosófica sobre o inconsciente remonta aos tempos antigos, com Platão sugerindo a existência de uma alma dividida em camadas, algumas das quais permanecem inacessíveis à consciência. Aristóteles, por sua vez, discutiu o papel dos sonhos como reveladores de desejos e preocupações ocultas.  No entanto, foi com a ascensão da psicanálise qu

O desejo de analista", de Bruce Fink

 O capítulo "O desejo de analista" de Bruce Fink, presente em seu livro "Introdução clínica à psicanálise lacaniana", aborda um dos conceitos fundamentais da psicanálise lacaniana: o desejo do analista. Fink argumenta que, ao contrário do que se pode pensar, o desejo do analista não é algo que pode ser completamente controlado ou eliminado. Na verdade, o desejo é parte integrante do processo analítico e pode ser usado de forma produtiva para ajudar o paciente a alcançar uma compreensão mais profunda de seus problemas.


O autor destaca que o desejo do analista não é o desejo sexual, como muitos podem imaginar, mas sim o desejo de saber e de entender o paciente. Ele enfatiza que o analista precisa estar disposto a se envolver emocionalmente com o paciente, sem deixar que suas próprias questões pessoais interfiram na análise. Fink destaca a importância de o analista ter uma relação "neutra benevolente" com o paciente, em que ele não busca satisfazer suas próprias necessidades ou desejos, mas sim ajudar o paciente a encontrar suas próprias respostas.


Uma das principais contribuições de Fink neste capítulo é a ideia de que o desejo do analista é o único desejo que o analista deve ter durante a análise. Isso significa que o analista deve evitar qualquer tipo de desejo que possa interferir na análise, seja ele sexual, emocional ou de qualquer outra natureza. Isso não significa que o analista deve ser frio ou distante, mas sim que ele deve estar consciente de seus próprios desejos e limites, para que possa ajudar o paciente da melhor maneira possível.


Em suma, o capítulo "O desejo do analista" de Bruce Fink é uma contribuição valiosa para a compreensão do papel do analista no processo analítico. Fink argumenta que o desejo do analista é parte integrante do processo e pode ser usado de forma produtiva para ajudar o paciente a alcançar uma compreensão mais profunda de seus problemas. Ele enfatiza a importância de o analista estar consciente de seus próprios desejos e limites, para que possa ter uma relação "neutra benevolente" com o paciente. A ideia de que o único desejo do analista deve ser o desejo de entender e ajudar o paciente é uma contribuição importante para a teoria e prática da psicanálise.


Com base em estudos psicanalíticos, o "desejo de analista" é considerado um dos conceitos fundamentais da psicanálise lacaniana. Este desejo pode ser entendido como o desejo do analista de entender e ajudar o paciente, sem interferir na análise com seus próprios desejos pessoais. Neste sentido, diversos autores têm discutido este tema em seus trabalhos, apresentando diferentes perspectivas sobre o assunto.


Barbato (2010) destaca que o desejo do analista é um dos pontos centrais da teoria e prática da psicanálise, e que este deve estar sempre presente no processo analítico. Segundo ele, o desejo do analista é fundamental para que o paciente possa se sentir acolhido e seguro para expor suas angústias e conflitos, sem medo de ser julgado. Além disso, o autor enfatiza que o desejo do analista não deve ser confundido com o desejo sexual, mas sim com o desejo de saber e entender o paciente.


Moretto (2018) aborda o tema do desejo do analista a partir da perspectiva de Jacques Lacan, um dos principais teóricos da psicanálise lacaniana. A autora destaca que o desejo do analista é um dos conceitos mais importantes de Lacan, e que este é o desejo de escutar e compreender o paciente, sem interferir em suas questões pessoais. Moretto enfatiza que o analista deve estar atento aos seus próprios desejos e limites, para que possa oferecer uma escuta empática e ajudar o paciente a encontrar suas próprias respostas.


Dunker (2012) apresenta uma visão crítica sobre o desejo do analista, argumentando que este pode ser entendido como um ideal inatingível. Segundo o autor, o desejo do analista é uma fantasia, que pode levar a uma sobrecarga emocional do analista e a um comprometimento da análise. Dunker destaca que, em vez de se concentrar no desejo do analista, é importante que o analista trabalhe para manter uma postura ética e reflexiva, que permita a escuta empática do paciente.


Além desses autores, há uma vasta literatura sobre o tema do "desejo de analista" na psicanálise, que pode ser consultada por aqueles que desejam aprofundar seus conhecimentos sobre o assunto. Vale ressaltar que a compreensão do desejo do analista é fundamental para a prática clínica em psicanálise, e que este deve ser constantemente avaliado e trabalhado pelo analista, a fim de garantir um processo analítico ético e efetivo.



Em suma, o "desejo do analista" é um conceito fundamental da psicanálise lacaniana, e tem sido objeto de estudo e discussão por diversos psicanalistas. Enquanto alguns destacam a importância do desejo do analista para o processo analítico, outros são mais críticos em relação a este conceito, argumentando que ele pode levar a idealizações e sobrecargas emocionais do analista. No entanto, a maioria dos autores concorda que o desejo do analista deve ser entendido como o desejo de escutar e entender o paciente, sem interferir em suas questões pessoais.


Referências bibliográficas:


Barbato, W. (2010). Desejo de analista e pulsão. Revista Brasileira de Psicanálise, 44(2), 155-168.


Dunker, C. (2012). Sobre o desejo do analista. In Cadernos de psicanálise, 34(28), 137-156.


Fink, B. (1998). Introdução clínica à psicanálise lacaniana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.


Moretto, M. L. T. (2018). O desejo de analista segundo Jacques Lacan. Psicologia em Pesquisa, 12(2), 225-233.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A interpretação dos sonhos (1900)

Volume 4 da coleção das Obras Completas de Freud, A interpretação dos sonhos é o livro mais famoso do criador da psicanálise e lançou as bases do novo saber ao ser publicado, em 1900. Freud (1900) A interpretação dos sonhos A primeira edição de A interpretação dos sonhos foi lançada no final de 1899 (com data de 1900) numa tiragem de apenas seiscentos exemplares, que levaram oito anos para serem vendidos. Mais de um século depois, ele se tornou um dos livros mais influentes da época moderna, com incontáveis edições em dezenas de línguas. O livro se divide em sete grandes capítulos. No primeiro, Freud passa em revista toda a bibliografia sobre o tema, desde a Antiguidade. O segundo traz seu método de interpretação, com o exemplo do “sonho da injeção de Irma”.  Analisando quase 50 sonhos próprios e centenas de sonhos relatados na literatura, Freud chega à conclusão de que o sonho é realização disfarçada de um desejo reprimido, muitas vezes de origem infantil. Isso constitui o tema dos tr

O homem dos lobos (Freud)

O homem dos lobos foi um caso atípico na clínica psicanalítica de Freud. Em 1910 teve início as sessões, interrompida pela guerra, em 1914. Desse modo, é considerado um caso longo para os parâmetros do Freud. Vale lembrar que na época, o psicanalista recebia o paciente 5x por semana em seu consultório na cidade de Viena, Áustria , mas a análise pessoal não durava por muitos anos, como nesse caso específico do "homem dos lobos". Após a guerra, o paciente retomou a análise com o psicanalista, em um segundo momento, estabelecendo consigo um prazo de encerramento das sessões psicanalíticas. Aliás, uma técnica ativa, que como o próprio disse, o ajudou a avançar na análise com Freud. Em seguida, segue análise com outros psicanalistas. ë conhecido na história da psicanálise por ter tido muitos analistas. Muitas das coisas das quais eu fiquei sabendo, eu fiquendo sabendo apos estabelecer esse prazo Para quem estuda psicanálise, sabe que Freud participava de reuniões com outros médico

Filme "A Onda"

 Partindo do pressuposto de que ideologia é um instrumento de dominação, ou seja, a maneira pela qual a classe dominante de uma sociedade faz com que as ideias, próprias dela, apareçam como válidas para a sociedade inteira, sem fazer distinção de outros fatores sócio-culturais, o filme a Onda nos desperta para a questão de como um discurso pode inflamar e repercutir no comportamento de todo um grupo. A conjectura política atual do país passa por linha tênue, entre discursos nostálgicos dos tempos da ditadura por parte de governantes, atravessando toda a sociedade.  Nos faltam dados para apontar, mas notícias recentes demonstram um aumento no número de casos de violência e tortura contra a mulher, o negro, o homossexual e o pobre, parecem corroborar a tese da película cinematográfica.  Ao defender um discurso racista e preconceituoso, governantes "autorizam veladamente" os indivíduos que com eles se identificam a praticar os mesmos atos na rua, no dia a dia. Contudo, nosso

Fazer Psicanalista - Welson Barbato

 Publicação para fins didáticos.